Projeto incentiva a leitura dentro do transporte coletivo

Fotos: Leonardo Talamini

Quem utiliza o coletivo em Porto União pode emprestar um livro e devolvê-lo após a leitura

 

 

 


Leonardo Talamini*

 

Quem utiliza o transporte público diariamente sabe: o trajeto muitas vezes é cansativo e até entediante. O tempo parece não passar para quem quer chegar logo ao destino. Mas que tal praticar a leitura enquanto percorre a cidade? Pensando nisso, a Secretaria de Cultura e Turismo de União da Vitória lançou em 2017 o projeto “Transportando Ideias”.

 

 

A maioria dos coletivos do município recebeu os chamados bolsões. Dentro deles ficam disponíveis livros, revistas e gibis. No início, boa parte do material veio da Biblioteca Municipal. Com o decorrer do tempo, os próprios passageiros foram deixando no local obras já lidas e que estavam deixadas de lado em casa.

 

 

Quem utiliza o coletivo pode emprestar um livro e devolvê-lo após a leitura. O empréstimo, é claro, acontece na confiança. Em entrevista à TV Mill, de União da Vitória, o vice-prefeito da cidade, Bachir Abbas, disse que o projeto vem dando certo e que os passageiros têm feito o empréstimo e a devolução das obras. “Hoje, com a internet, o hábito da leitura ficou meio de lado. E nós queremos que as pessoas leiam enquanto fazem o trajeto de um bairro para o outro”, explica.

 

 

DIVERSIDADE DAS OBRAS

Em apenas um bolsão já fica clara a diversidade de temas nas obras: romance, aventura, ação e comédia. Uma variedade para atingir todos os gostos.

 

 

A jovem Keylla Belena utiliza os coletivos de União da Vitória diariamente para trabalhar. Ela tem o hábito de ler. Quando descobriu os bolsões, se encantou com o material apresentado e não pensou duas vezes em aderir ao projeto. “As pessoas percebem que o livro está ali para ser lido.  É um incentivo à leitura. As histórias mexem com a nossa imaginação. Eu, por exemplo, emprestei um livro com tema espírita. Sou dessa religião e a obra me encantou logo de cara. Seria bem bacana se as pessoas trouxessem mais livros e emprestassem as obras para ler em casa”.

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mesmo quem não teve a chance de conhecer os bolsões se encanta com a possibilidade de praticar a leitura enquanto faz o trajeto de casa ou do trabalho. “Muita gente fica mais de meia hora dentro do ônibus e sem companhia. Isso torna a viagem entediante. Agora, com o livro o trajeto fica mais interessante. É bacana que o projeto atinge os pequenos também. Eu, se fosse criança, provavelmente pegaria um gibi para ler”, conta o jovem Henrique Muller.

 

 

A equipe da Secretaria de Cultura faz a reposição do material de acordo com a saída das obras disponíveis nos bolsões. “Então, se você tem um livro que já não utiliza mais, traga-o para a Secretaria de Cultura ou para a Biblioteca. Nós distribuímos o material nos bolsões. O conteúdo será bem aproveitado”, conclui Abbas.

 

 

EM TEMPO

O “Transportando Ideias” já deu carta branca para novos projetos. A ideia da Secretaria de Cultura é a de inserir os livros também nos ônibus escolares. O projeto não tem prazo para ser colocado em prática.

 

 

 

*Leonardo Talamini é estagiário. Acadêmico do curso de Jornalismo da Uniuv

Deixe seu comentário:

Top