Formulário + Botão Guia+ Desktop

Formulário + Botão Guia+ Mobile

O que esperar de Beto Passos?

Beto comemora vitória com o vice, Renato Pike/Divulgação

Leia coluna da semana de Edinei Wassoaski                                                                                                           

Beto Passos (PSD) já trabalha como prefeito. Tem viajado a Brasília, a Florianópolis, participado de seminários, percorrido gabinetes de deputados e de secretários de Estado. Quer tentar a façanha de já garantir um pequeno forro de verbas antes mesmo de assumir o cargo de fato.

  Paralelo, tem visitado eleitores, estabelecimentos comerciais, empresários, representantes de associações.

   Nesta semana se reuniu com empresários filiados à Associação Empresarial de Canoinhas. Ouviu demandas e, como disse seu vice, Renato Pike: “como da pauta de anos nada foi cumprido, se cumprirmos a metade do que eles pediram, já será um grande avanço”.

   Seria no mínimo imprudente traçar diagnóstico pessimista sobre seu futuro governo, até porque o que se vê dessa fase preparatória, dá pra se vislumbrar um cenário promissor. Ao menos ouvir, Passos vai, o que já é um grande avanço.

    Tem pela frente pelo menos três obstáculos: o primeiro e maior de todos, é a baixa arrecadação e a necessidade urgente de melhorar as finanças do Município diante de um cenário desolador para os dois maiores financiadores dos Municípios: Estado e União.

   O segundo desafio é o fogo amigo. Passos recebeu apoio de muita gente muito mais sedenta por ajeitar a sua vida primeiro, depois a do Município. A sanha por cargos já começou e Passos tem sido assediado constantemente por gente que vai de suplentes de vereador a quem curtiu suas postagens no Facebook. Dizer não a essas pessoas é fazer inimigos que lá em 2018 estarão bradando pela volta do PMDB, fingindo que os interesses do Município o fizeram mudar de lado.

   O terceiro adversário é domar a si mesmo. Primeiro para garantir a harmonia com Renato Pike, cujo estilo bastante pragmático pode vez ou outra colidir com as ponderações do prefeito. Nunca é demais lembrar, também, que não se pode governar com o fígado. Não foi o que se viu na reunião de moradores das margens da SC-120 quando culpou o secretário regional Ricardo Martin pela precariedade da rodovia e afirmou que vai pedir sua cabeça ao governador. Como disse Martin Luther King, “Para ter inimigos, não precisa declarar guerras, apenas diga o que pensa.”

 

Economia

Pelo menos no primeiro semestre do próximo governo, Renato Pike vai acumular os cargos de vice-prefeito e secretário de Administração. Tudo para economizar e garantir caixa para fazer algo além de garantir os serviços essenciais. Ele não descarta, também, assumir Planejamento e Desenvolvimento Econômico por tempo limitado.

 

 

Pergunta pertinente

Há chances de a cúpula local do PMDB se reconciliar com Aguiar?

 

 

coluna-2Deputado Antonio Aguiar participou na semana passada, em Belo Horizonte (MG), ao lado do também médico ortopedista de Canoinhas, Marcelo Galotti, do Congresso Brasileiro de Ortopedia. Na foto os dois estão com o também ortopedista e deputado federal, Luis Henrique Mandetta.

 

 

 

Rodrigo Melo/Divulgação

Rodrigo Melo/Divulgação

DIREITOS

Esta semana, na Câmara, Beto Passos e Renato Pike participaram de reunião com representantes do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Comde). Prefeito e vice-prefeito eleitos prometeram implementar políticas públicas voltadas, principalmente, à inclusão das pessoas portadoras de necessidades especiais e de garantia de acessibilidade.

 

 

Em Três Barras, não!

Prefeito Elói Quege (PP) se despede do cargo e da comunidade de Três Barras, pelo menos daquela que se consulta no sistema público de saúde. Magoado pelas manobras atribuídas a seu arquirrival Luiz Shimoguiri (PR) para tirá-lo do SUS, disse que não vai trabalhar para seu governo. Já acertou com as prefeituras de São Mateus do Sul e Canoinhas e pretende abrir consultório.

 

 

Tiro pela culatra

O atropelo com que os vereadores de Major Vieira instauraram a Comissão Processante que apurou suposto ato de improbidade por parte do prefeito Orildo Severgnini (PMDB) tem tudo para se tornar o mico do ano. Acharam que poderiam cassar o mandato quando bem entendessem e a Justiça brecou. Resta saber qual vai ser a decisão final.

Considerando que o déficit do Fundo de Previdência dos Servidores não é de hoje e que a denúncia partiu do vice-prefeito derrotado na eleição deste ano, acrescentando-se o fato de Severgnini ter minoria na Câmara, tudo leva a crer que esse processo tem uns 20% de técnica e 80% de política, não necessariamente nessa proporção.

 

“Cassar por cassar não existe, tem de ter motivo e respeitar as regras da lei”

do prefeito de Major Vieira, Orildo Severgnini, logo depois de conseguir a liminar que o mantém no cargo

 

 

Projetando 2018

O PMDB local vai lançar um nome paralelo ao de Aguiar para disputar uma vaga pela região na Assembleia em 2018. Resta saber quem. O partido estuda lançar o candidato pelo diretório de outra cidade da região caso Aguiar imponha seu nome ao diretório canoinhense.

Na semana passada o partido fez reunião com direito a discurso de desagravo do presidente Décio Damaso. Wilson Pereira gritava insultos a Aguiar, enquanto Damaso falava.

 

 

RÁPIDAS

 GOVERNO PASSOS: Wilmar Sudoski (PSD) também foi sondado para assumir uma secretária, mas declinou pelo menos no primeiro ano.

 

DISPUTA: Sudoski quer disputar a presidência da Câmara em 2017. Célio Galeski (PR) vai tentar a reeleição. Para tanto já corteja os novatos.

 

RECORDANDO: Sudoski foi traído por colegas que lhe prometeram votos em 2014. À época, fez um discurso duro criticando a atitude.

 

MOVIMENTO:  Como em política as ações sempre antecipam pretensões, o PR deixou o governo na semana passada e já lançou a pré-candidatura de Jorginho Melo ao governo.

 

DIA 3: O PSD faz convenção estadual em Chapecó, com grandes chances de lançar a pré-candidatura do presidente da Assembleia, Gelson Merísio.

 

PRESTÍGIO: Deputado estadual Antonio Aguiar (PMDB) é presidente da Assembleia Legislativa de SC até segunda-feira, 28. Ontem, o canoinhense presidiu a sessão.

 

82: médicos e uma megaestrutura com posto, ambulância, UTI Móvel e equipamentos de última geração estão à disposição dos servidores do Congresso Nacional e familiares. Detalhe: além disso eles têm plano de saúde.

 

Deixe Seu Comentário