Na região de Canoinhas, nove pessoas se suicidaram somente neste ano

Cintia luta contra a depressão/Edinei Wassoaski/JMais

Cíntia Sampaio, 19 anos, vive na corda bamba. Desde os 15 sofrendo de depressão, ela luta contra a doença pensando que cada dia sem uma tentativa de suicídio é uma vitória. Somente neste ano, Canoinhas, Major Vieira, Três Barras e Bela Vista do Toldo registraram nove suicídios

 

Um ponto e vírgula tatuado no pulso esquerdo de Cíntia Sampaio, 19 anos, simboliza sua luta contra uma doença que aparece silenciosa, quase sempre é tratada como bobagem, nem sempre tem motivo claro, mas que, ao tomar conta, torna a recuperação cada vez mais difícil. Cíntia sofre de depressão. “Essa doença é um ponto e vírgula na minha vida. Ainda conseguirei seguir em frente”, afirma timidamente, como quem sabe que nem só com palavras positivas se combate a depressão. Tanto que toma remédios antidepressivos além de consultar regularmente com uma psicóloga. “Agradeço por quem está do meu lado, mas não teria me salvado sem os remédios”, garante.

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Tatuagem simboliza a luta de Cíntia contra a depressão/Edinei Wassoaski/JMais

Cíntia mora com os avós desde criança. A mãe vive com seu padrasto e com o pai ela não tem relação nenhuma. Aos 15 uma briga a separou de seu namorado, à época, com 18 anos. Foi nesse intervalo que teve a pior crise. Sentia uma tristeza profunda, só pensava em dormir, desenvolveu síndrome do pânico e chegou aos 29 quilos porque se recusava a comer. Por diversas vezes Cíntia tentou se matar. “Eu vivia me cortando, queria que a dor física fosse maior que a dor emocional”, explica. Certa vez misturou remédios e dormiu por horas. Acordou e desmaiou ao tentar sair da cama. Foi parar no hospital. A família começou a levar o caso a sério quando ouviu do médico que não havia mais o que fazer, que a falta de alimentação a levaria à morte. “Todo mundo era feliz, menos eu”, pensava Cíntia para justificar a tristeza profunda.

 

Aquela bronca do chefe, a palavra enviesada, o plano que não dá certo, enfim, coisas que deixam qualquer um desapontado, para Cíntia, a dimensão é muito maior. “Tento lidar com essas coisas da melhor maneira possível, mas não é fácil”.

 

Mesmo com a recuperação depois dos antidepressivos e a volta do namoro, Cíntia não se considera curada. “Penso que cada dia é uma vitória”, diz. Ela reatou o namoro dos 15 anos, faz tratamento médico contínuo, recuperou o peso e começou a trabalhar. O fantasma da depressão, no entanto, a persegue. “Se vejo pessoas brigando, por exemplo, tenho ataque de pânico, preciso me trancar em algum lugar e esperar passar”, conta.

 

DEPRESSÃO E SUICÍDIO

Doença que afeta 300 milhões de pessoas no mundo todo segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e que tem como ponto alto a falta de vontade de viver, a depressão é um convite para pensamentos suicidas. Daí a necessidade de não ignorar o que diz a pessoa deprimida. “Pra gente pode parecer uma questão pequena, mas para a pessoa tem uma dimensão maior”, afirma a psicóloga que atende pelo serviço público de saúde de Canoinhas, Aiessa Tavares. É o caso dos adolescentes, que passaram a chamar atenção depois do sucesso da série da Netflix, 13 ReasonsWhy e do jogo da Baleia Azul, espécie de gincana perversa feita pelas redes sociais que tinha como atividade final o suicídio. A série e o jogo aumentaram em 500% os atendimentos do Centro de Valorização à Vida (CVV) e chamou a atenção para uma estatística alarmante: no mundo todo, o suicídio é a segunda causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos, atrás de acidente de trânsito.

 

E os casos de suicídio têm aumentado. Segundo a OMS, entre 2002 e 2012 o número aumentou 40% no Brasil, país onde 32 pessoas se suicidam por dia, ou seja, uma a cada 45 minutos. Trata-se do oitavo país com maior número de suicídios.

 

Santa Catarina é segundo estado em número de suicídios a cada 100 mil habitantes, segundo o Mapa da Violência. Com 8,6 registros em 2012, o Estado também tem a capital com maior número de suicídios (9,5) no país. Os dados apontam um crescimento de 75,8% no índice de 2011 para 2012. Só na comarca de Canoinhas, que engloba também Três Barras, Bela Vista do Toldo e Major Vieira, foram nove registrados até agosto deste ano, o mesmo número de suicídios registrados durante todo o ano passado. Os dados do 3º Batalhão de Polícia Militar indicam que possivelmente teremos um recorde até o fim do ano na região.

 

COMO FREAR?



Segundo a OMS, 90% dos suicídios poderiam ter sido evitados. Aiessa explica que para ajudar pessoas deprimidas, com tendências suicidas, o primeiro passo é levá-las a sério, ouvindo-as pacientemente. O segundo passo é indicar um profissional para ajudar a pessoa. “Tem muita gente com preconceito, achando que psicólogo é coisa de louco. Muita gente tem a visão de que o psicólogo trata loucura, quando na verdade é um profissional capacitado para trabalhar com as mais diversas queixas e sintomas”, afirma. Ela reforça que apoio da família e religiosidade são fatores importantes para ajudar a pessoa (leia mais dicas ao lado). A psicóloga lembra que ninguém fala que está disposto a tirar a própria vida para chamar a atenção. “Quem diz que quem ameaça (se matar) não faz, não se engane, faz sim”, alerta.

 

Aiessa frisa que a depressão é uma das causas do suicídio, mas não única. “A maioria das pessoas que tentam ou cometem suicídio tem um problema mental. Pode ser bipolaridade ou esquizofrenia”, por exemplo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

LEIA AS OUTRAS REPORTAGENS DO ESPECIAL

Quando não há mais o que se fazer

A vida que vale a pena ser vivida

 

Região Sul concentra 23% dos suicídios do Brasil

 

Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil

 

 

Deixe seu comentário:

Top