Formulário + Botão Guia+ Desktop

Formulário + Botão Guia+ Mobile

Em 4 anos, vereadores canoinhenses gastaram R$ 200 mil em viagens

Prestes a assumir o sexto mandato, Célio Galeski (PR) gastou só em 2016, R$ 16 mil para fazer seis cursos, um deles sobre planejamento para o último ano de mandato

 

Ao assumir a presidência da Câmara de Vereadores no primeiro ano da atual legislatura, em 2013, Renato Pike (PR) até que tentou moralizar a liberação de diárias para viagens de funcionários e vereadores. Gastou apenas R$ 13.429, a maior parte desse valor com viagens de funcionários para cursos de atualização nas suas respectivas áreas, especialmente a contábil.

Bastou trocar de presidente, no entanto, que a porteira semifechada em 2013 foi escancarada pelo presidente Neno Pangratz (PP), que dividiu o mandato com João Grein (PT). Em 2014 foram gastos R$ 47 mil em viagens. Neno, por sinal, foi o recordista de diárias nos quatro anos de mandato. Gastou R$ 25,6 mil.

Em 2015, Gil Baiano (PR) assumiu a presidência da Casa liberando R$ 69,7 mil em viagens, a maior fatia desse valor, para ele mesmo (R$ 9,8 mil).

Generosidade consigo próprio não é exclusividade de Baiano. Como presidente da Casa, em 2016, Célio Galeski liberou R$ 16,2 mil para ele mesmo viajar. No total, R$ 70,6 mil foram liberados em diárias no último ano de mandato.

 

OS CURSOS

O recordista de diárias fez viagens das mais variadas. Monossilábico nas sessões da Câmara, Neno Pangratz se mostra bastante interessado em entender o processo legislativo. Fez cursos que vão de temas relacionados a processos licitatórios até um Seminário Interestadual sobre encerramento do processo legislativo. Questionado sobre o recorde, ele não comenta sobre os cursos, mas lembra que fez várias viagens a Brasília e Florianópolis em busca de recursos para Canoinhas. “Batalhamos com o Pike e conseguimos verba para (pavimentação da rua) Bernardo Olsen. Também conseguimos cinco academias ao ar livre. Várias coisas que fizemos. Preciso fazer um levantamento. Mas sempre que íamos brigar por alguma coisa, conseguíamos”, explica.

Neno não concorreu à reeleição por estar inelegível.



Mesmo prestes a assumir o sexto mandato como vereador, o segundo colocado no uso de diárias, Célio Galeski – que já anunciou que não pretende seguir na Câmara já que aceitou convite para reassumir a Secretaria Municipal de Habitação –, fez curso de Fiscalização e Transparência em Órgãos da Administração Pública e de Planejamento e Orientações para o Último ano de Mandato. O último curso, de 29 de novembro a 2 de dezembro, foi um simpósio sobre licitações públicas no processo legislativo. Vale lembrar que o republicano passou quase dois anos fora da Câmara, quando assumiu os cargos de secretário de Obras e, posteriormente, de Habitação.

Apesar de ter sacado o segundo maior valor deste ano em diárias, Galeski foi econômico em relação a 2009, quando presidiu a Câmara de Vereadores e, apenas em um semestre, torrou R$ 16,1 mil em diárias. No ano seguinte, reportagem publicada pelo jornal Correio do Norte ganhou repercussão estadual ao mostrar que Galeski havia liberado diárias sem nem saber para quê. Naquele ano, a Câmara havia gastado quase R$ 200 mil em viagens. Foi a quarta Câmara que mais gastou em 2009 com diárias.

A reportagem gerou a abertura de um inquérito policial até hoje inconcluso.

Ao ser ouvido pelo jornal à época, Galeski disse que os R$ 200 pagos por diária à época não eram suficientes. “Me falaram que eu encontro hotéis de R$ 50 a diária. Pra levar uma facada? Se for pra ficar em hotel ruim, eu fico em casa”, disse ao jornal. Ele se queixou ainda do valor pago por alimentação à época (R$ 20). “Se um dia você for viajar comigo, eu vou comer um camarão, isso custa 50 pila. Outro dia, almocei no Lindacap (em Florianópolis), o cara quis me dar uma nota de 75 (reais). Como é que eu vou trazer uma nota de 75 se eles vão me pagar 20 (reais). Daí fica até abuso”.

Galeski disse ainda que as diárias não representam custo, mas sim “investimento” no aperfeiçoamento dos vereadores. Um exemplo prático? “Não sei se serei prefeito de Canoinhas um dia, mas se for vou brigar pelo embelezamento da cidade. Isso eu aprendi. Por que quando você está em Gramado, Canela, Nova Petrópolis, você anda, você vê. Isso é o que quero pra Canoinhas”, diz.

 

*em R$  2013 2014 2015 2016 TOTAL
Neno Pangratz 2.280 4.129 10.816 8.457 25.682
Célio Galeski 0 1.040 1.248 16.243 18.531
Gil Baiano 0 2.482 9.800 6.017 18.299
Cris Arrabar 1.800 4.581 6.099 2.777 15.257
Renato Pike 0 0 6.448 8.649 15.097
João Grein 1.478 4.310 5.542 2.314 13.644
Paulo Glinski 1.580 0 2.496 1.388 5.464
Genérico 2.080 0 0 1.976 4.056
Chiquinho da Silva 0 0 0 1.976 1.976
Wilmar Sudoski 0 0 416 655 1.071
R$ 13.429 R$ 47.034 R$ 69.796 R$ 70.693 R$ 200.952

* Os valores totais incluem diárias tiradas por servidores da Câmara

 

NOVO PRESIDENTE

Prestes a assumir a presidência da Câmara em 2017 (a eleição acontece neste domingo, dia 1º, logo depois da posse), Wilmar Sudoski (PSD) foi o vereador que menos gastou com diárias na legislatura. Ele ressalta que o gasto com diárias é prerrogativa do presidente e que a liberação ou não “vai da cabeça de cada um”. “O presidente precisa intervir para não ter abuso.”

Sobre como será sua postura caso seja confirmado como presidente no primeiro ano da próxima legislatura, Sudoski diz que “o que penso não é muito diferente do que pensa o eleitor esclarecido. Quero a racionalização dos recursos públicos”.

Deixe Seu Comentário