Dono da Havan sinaliza com possível candidatura ao Governo

Luciano Hang durante entrevista coletiva há três meses/Bárbara Sales/Jornal O Município

Com jornalistas de todo o estado presentes, o empresário declarou que “2018 tem que ser o ano da mudança”

Jornalistas de todo o estado estiveram em Brusque na manhã de sexta-feira, 5, na sede administrativa da rede de lojas Havan, para o que se imagina ser o “grande anúncio político” do empresário brusquense Luciano Hang, dono da rede de 107 lojas Havan.

 

 

Desde o anúncio da coletiva, muito se especulou, principalmente sobre a possibilidade de Hang comunicar a sua candidatura a um cargo público nas eleições deste ano. As principais apostas eram na sua corrida pelo governo do estado.


 

 

No fim da tarde de quinta-feira, 4, as especulações sobre a candidatura se tornaram ainda maiores, já que surgiu a informação do pedido de desfiliação de Hang do PMDB, partido a qual fazia parte desde 1985, o que movimentou ainda mais o cenário político catarinense, já que o empresário poderia anunciar sua candidatura e seu novo partido nesta sexta-feira.

 

 

Entretanto, as expectativas não se confirmaram. Durante cerca de 1h20, Hang desabafou sobre a situação política e econômica do país. Falou sobre a grande burocracia, a alta taxa de juros que faz as empresas brasileiras perderem mercado e competitividade para outros países e, principalmente, sobre a classe política e a necessidade de mudar a forma de fazer política no Brasil.

 

 

“O Brasil não vai mudar se nós não mudarmos os nossos votos. Vamos continuar sendo um país de miseráveis, de pobres, para o resto das nossas vidas. O Brasil está virado de cabeça pra baixo. No Brasil de hoje, o errado é o certo e o certo é o errado, está tudo errado neste país”, disse.



 

 

“Temos que acabar com pessoas que vão para o serviço público pensando em roubar, em enriquecer. Aliás, tem empresários que apostam no governo para ganhar do BNDES juros subsidiados para comprar jatinho, enriquecer, enquanto isso, o povo sofre. Eu não penso assim, não penso só na minha empresa, mas no meu país”, completou.

 

O grande anúncio de candidatura não veio, entretanto, o empresário deixou a possibilidade de disputar o pleito de 2018 totalmente aberta, já que a legislação eleitoral permite filiações a novos partidos até meados de abril.

 

 

“Temos quatro meses para ver, estudar, conversar. Esse é o ano do fato novo, é o ano do empreendedor, do empresário, ano de as pessoas votarem em quem tem disciplina, sabe administrar e quer fazer”, afirmou.

 

 

As informações são do site do jornal O Município.

 

Deixe seu comentário:

Top