Formulário + Botão Guia+ Desktop

Formulário + Botão Guia+ Mobile

Matérias de: Adair Dittrich

O inesquecível Sagrado Colégio

Algumas páginas e há muitas horas eu contava e afirmava que jamais tudo será dito ou escrito sobre o nosso Sagrado Colégio. Muitas águas, ou melhor, muitas linhas ainda irão rolar até que eu consiga esgotar, pelo menos, as minhas lembranças. Então, hoje, aqui, eu volto com imagens que continuam dançando em minha memória.Com algumas imagens....
Continue lendo...

Um amor em outra dimensão

À procura de algo, à procura de alguém ela passou a sua vida inteira. Dizia-me que sempre haveria um novo amor para preencher um vazio. E num crescente amoroso foi encontrando pelos caminhos percorridos os mais fabulosos companheiros de jornada. Sua solidão era curta e sempre compensada pela companhia de gente de grande sensibilidade como ela. Tinha seus...
Continue lendo...

E o corte do verde continua…

Palmeiras, amargamente, sendo derrubadas continuam. Elas e suas irmãs de tantas outras espécies, árvores imensas, frondosas e delicadas árvores se vão pelos vãos dos dedos de vãs consciências ensoberbadas em nadar nos mares de douradas moedas. Algo que sempre doía em mim era o som de um machado impiedoso ou de uma serra macabra a despedaçar...
Continue lendo...

O Campo de Trigo

Foto: Campo de Trigo/http://marciliodiasdistrito.blogspot.com.br/
Era manhã ainda, meio dia chegando, mal os trens haviam deixado a estação férrea de minha vila e o ruído, agora, era apenas o da serraria dos Olsen que fica do outro lado dos trilhos, quando um veículo diferente surge no pátio ao lado do restaurante. As pessoas que o ocupam logo dele...
Continue lendo...

O passageiro da neblina

(Mais um desabafo perdido no tempo)   Resquícios que afloram e volteiam em torno das mais remotas e enevoadas imagens são como ânforas lacradas e há muito enterradas. Lacradas e sedimentadas com as tuas lágrimas que se cristalizaram no tempo, lacradas e sedimentadas com as tuas mágoas que se solidificaram no tempo. E então vem à mente aquela música...
Continue lendo...

O Estafeta

Era o Estafeta do trem a pessoa que trazia e levava as malas do correio. Não era um carteiro. Era o Estafeta. Não era um correio a cavalo. Era um correio em cavalo de ferro. Seu Pires foi um deles aqui em Canoinhas. Em cima de uma pequena carroça, puxada por um cavalo só, saia ele...
Continue lendo...

Oração Acadêmica

Ousada a minha atitude em aceitar que hoje, aqui, agora, esteja eu lendo estes rabiscos meus, esta pretensa Oração Acadêmica. Ousada eu, que no calor de uma reunião, não contestei esta indicação. Ousadia minha, sim. Porque a muitos é concedido o dom da bela escrita e do bem falar. E porque todas as minhas confreiras e todos os meus...
Continue lendo...

A Cafeína: só o nome ficou (Parte II)

E naquele tempo em que uma fábrica para a produção de cafeína começou a funcionar em nossa vila, um pensamento começou a rodopiar na cabeça de muitos. O que teria levado os mandatários de então a montar esta fábrica em nossa região? Era a época da Segunda Grande Guerra Mundial. O mundo convulsionando. O mundo necessitando desta...
Continue lendo...

A Cafeína: só o nome ficou (I)

Dentre as tantas travessuras de crianças estão as inúmeras incursões no entorno de seu território, sempre à procura do inédito, do diferente, do místico. Diferente não foi o dia em que aqueles que moravam às margens do caminho de ferro que levava a Porto União vieram nos contar sobre uma nova e grande construção que por...
Continue lendo...

À Enfermagem, com nosso abraço

Não é o dia que se torna especial por ser o Dia Mundial da Enfermagem, pois estas pessoas que se entregam para amenizar a dor, para colaborar em todas as redes de saúde onde quer que estejam, tem o seu dia em todos os dias. Mas, hoje é o dia que o mundo reverencia esta classe...
Continue lendo...

O nosso velho Salão Metzger

Foto: Salão Metzger/Fátima Santos 
Qual seria a diversão, o passatempo das pessoas nas horas de lazer do início do século passado em uma incipiente vila nos perdidos rincões rodeados de matas, bugios e serpentes? Para o homem sempre haveria a caça, a pesca e a pesca e a caça em duplo sentido também. Havia a fugida para...
Continue lendo...

Amor, Luz e Paz…

(Porque ainda é Tempo Pascal)   Quase não haviam dormido. Fora tenebrosa a noite carregada das lembranças daqueles maravilhosos tempos que agora não mais se repetiriam. Maravilhosos dias e maravilhosas noites em que muito ouviram e muito viram e muito aprenderam. Reuniram-se na manhã de domingo no mesmo local onde estiveram naquele dia consagrado e as últimas palavras...
Continue lendo...

… e eis que chega a Semana Santa

Foto: Egon Thien
Foi num domingo que o Mestre entrou na Grande Cidade ovacionado pela multidão. Tapetes amaciavam seus passos. E ramos ornavam o caminho que Ele percorria. Sinos e tambores, cornetas e alaúdes enchiam os ares com sons que só O glorificavam. E o Mestre sabia da incoerência e insensatez, da volubilidade e inconstância humanas. Mas, seu sorriso e suas...
Continue lendo...

E depois da névoa… o ponto de luz!

ADAIR 2Sempre haverá um tempo de névoas nos olhos. Névoas que turvam a visão do mundo, a visão da vida. Opacos cortinados ofuscando paisagens, ofuscando luas, ofuscando amores... Imiscuir-se neste fantasmagórico espaço em que todas as vidraças são fumacentas, em que luzes tornam-se opacas e pensar que...
Continue lendo...

O ilimitado amor

Uma linda boneca de porcelana de rosadas faces, Brigith era a graça que desfilava diariamente pelas ruas de minha vila.  Seus louros e encaracolados cabelos esvoaçavam por seus ombros, embalados pelo vento e pelo ritmo de seu caminhar. Tinha os mais límpidos olhos azuis, quase violetas de tão azuis, brilhantes, de olhar firme rumo ao...
Continue lendo...