Canoinhas sente efeitos da unificação dos campi da UnC

UnC Marcílio Dias/Divulgação

Colunista Edinei Wassoaski aborda ainda a turbulência no PR por causa da divisão de cargos

 

 

Quando em 2010 o então radialista Beto Passos (hoje prefeito eleito) se insurgiu e liderou uma campanha contra a unificação dos campi da Universidade do Contestado (UnC), foi citado de maneira jocosa pelo então diretor administrativo do campus Canoinhas, Hamilton Wendt. “Não vão colocar o prédio da UnC num caminhão e mandar para Mafra”, dizia. O processo de unificação do CNPJ dos campi da UnC foi bastante tumultuado. Primeiro, a Câmara de Vereadores de Canoinhas aprovou a unificação, com a cessão do patrimônio da UnC Canoinhas para a única fundação que regeria os quatro campi. Caçador pulou fora e criou a Uniarp. Mais tarde, a Justiça disse que pouco importava a opinião dos vereadores, que a UnC não faz parte da administração municipal direta ou indireta. “Foi instituída pelo município, mas a ele não pertence, é autônoma.” Mesmo assim, nossos vereadores já haviam deixado suas digitais na rifagem do patrimônio da antiga Funploc. A pressão do  Ministério Público acelerou o processo de unificação.

Mas claro que não se tratava de estrutura física a indignação do hoje político. Passos alertava para o que justamente ocorre hoje. Advinda do campus de Concórdia, a reitora Solange Sprandel estabeleceu uma espécie de projeto particular de poder que privilegia seu campus de origem em detrimento especialmente do campus de Canoinhas, que virou, na prática, um apêndice do campus de Mafra. O professor Walter Marcos Knaesel Birkner ameaçou esse projeto ao se insurgir e anunciar sua candidatura a reitor em 2018. Foi demitido. Em Mafra, o antecessor no cargo de reitor, Alceu Valério, também se insurgiu. Foi demitido. Os dois exemplos são os mais expressivos de uma série de demissões infundadas aparentemente. O caso chamou atenção do Sindicato dos Professores de SC (Sinproesc), que publicou nota condenando as atitudes da reitora. “A UnC demite vários professores em todos os campi, muitos com longa história na instituição, em defesa de uma educação inclusiva e de qualidade”, diz a nota. Alunos da UnC Mafra fizeram um abaixo-assinado pedindo a reintegração de Valério, assim como alunos de Optometria fizeram petição pedindo a reintegração do professor Luiz Escobar, demitido na semana passada. O Sinproesc acusa, inclusive, a reitora de fraudar o processo eleitoral.

Sabe-se lá se destino do campus Canoinhas seria diferente se a unificação não tivesse ocorrido, mas fato é que o processo de é irreversível e dá total poder a Solange. Antes figura retórica, o reitor passou a ser o que concentra maior poder. É ele, por exemplo, quem nomeia, segundo os critérios que bem entender seguir, todos os cargos de chefia abaixo dele. Inclui-se aí, os pró-reitores, cargos similares aos de diretores-presidentes, antes eleitos por um colégio eleitoral formado por representantes de entidades de classe e endossado pelo prefeito. Taí um belo começo para quem tem um projeto de poder.

 

Turbulência na base

A lua de mel dos integrantes do futuro governo Beto Passos (PSD) está perto do fim. Nesta semana foi tensa reunião do PR para divisão de cargos. Vereadora eleita, Zenici Dreher (PR) bateu o pé exigindo a nomeação de duas afilhadas. Presidente do partido e vice-prefeito, Renato Pike (PR) disse que não é bem assim, o suficiente para deixar a vereadora nervosa.

 

Adendo

A nota acima foi publicada na coluna semanal que mantenho no jornal Correio do Norte. Imediatamente, Zenici Dreher publicou essa nota na sua página no Facebook e afirmou ser “mentirosa”, garantindo que cancelaria a assinatura do jornal (que deve falir com isso, SQN) e se autoproclamando independente, ética, correta etc e tal.

O mais curioso é que dos tantos apoios que recebeu (de seus amigos, claro), os mais indignados foram os da própria afilhada que ela pretendia emplacar na Secretaria da Ação Social e do marido da pretendente ao cargo.

O marido da pretendente, como visto na nota, passa longe de ser citado, mas no seu comentário no Facebook diz que o colunista deveria tê-lo consultado (oi?).

A propósito: é voz corrente dentro do futuro governo que essa afilhada não entra de jeito nenhum, daí tanta indignação.

 

E a vereadora?

Cris Arrabar (PR) disse que o comentário da coluna não poderia ter sido publicado porque era assunto interno do partido e, portanto, o povo não precisa saber (oi?).

 

 

PERGUNTA PERTINENTE

Tem algum vereador arrependido de ter aprovado a unificação da UnC?

 

 

 

Moisés Gonçalves

Moisés Gonçalves

HARMONIA

Depois da diplomação na quinta-feira, 8, o fotógrafo Moisés Gonçalves flagrou esse momento de descontração entre o prefeito Beto Faria (PMDB) e os diplomados Beto Passos (PSD) e

Renato Pike (PR). Faria, por sinal, foi o único na comarca a prestigiar a diplomação de seu sucessor, um exemplo de elegância e fair play para quem optou por ignorar o momento.

 

O infortúnio de Célio

Célio Galeski (PR) sofreu dupla derrota nesta semana. Teve de engolir o cancelamento do edital para a construção da nova sede da Câmara à bagatela de R$ 4 milhões e ainda viu seu principal adversário na busca pela reeleição para a Presidência da Câmara em 2017, Wilmar Sudoski (PSD), sambar na sua cara, ao criticar sua atitude.

Diante do público que foi à Câmara pressionar pelo engavetamento do projeto, Paulo Glinski (PSD) sugeriu que o próximo presidente se comprometa a não fazer ressurgir o assunto. Na sequência, Sudoski se colocou contrário ao projeto. Na plateia estavam pelo menos três dos novos vereadores.

 

Não vai ser bem assim…

A eleição para a presidência da Câmara em 2017 não será fácil nem para Célio, nem para Sudoski. Os novatos estão se organizando e podem apresentar uma terceira via. Mário Erzinger é o nome a ser indicado.

 

 

Balde de água fria

Galeski foi pedir voto a Norma Pereira (PSDB) garantindo que Sudoski não tem chances. Ouviu de Norma: “Se você é candidato, eu também sou”.

 

 

Noite adentro

Teve carreata em Bela Vista do Toldo para comemorar a vitória de Adelmo Alberti (PSDB) no Tribunal Superior Eleitoral, que derrubou a última chance de cassação de mandato do prefeito eleito no processo movido pela chapa que apoiou Gilberto Damaso.

 

 

Parece que estamos na casa da sogra”

do vereador Célio Galeski ao justificar o projeto de construção da nova sede da Câmara. Para ele, o atual prédio é cedido pelo Município assim como uma sogra pode ceder parte de sua casa ao genro

 

 

RÁPIDAS

FUMAÇA BRANCA: Beto Passos deve anunciar na terça-feira, 20, cinco integrantes do primeiro escalão do seu governo. Os demais ficam para fevereiro.

 

GENTE NOSSA: A juíza canoinhense Dominique Borba Fernandes acaba de assumir a 1ª Vara de Canoinhas.

 

CONFLITO?: Dominique é sobrinha de Renato Pike, mas não deve julgar processos administrativos do Município, já que a 1ª Vara cuida, basicamente, de processos de família e afins.

 

VIRTUAL:  Canoinhas está entre os municípios selecionados pela Defesa Civil para que a população receba alertas de intempéries por SMS.

 

ÁGUAS PASSADAS: Desafeto do prefeito eleito Beto Passos, a vereadora eleita Telma Bley (PMDB) disse que, pelo Município, está disposta a esquecer as ofensas feitas por Passos no passado. “Vamos trabalhar juntos, por Canoinhas”, afirmou.

 

 

REPETENTE: Onélio Mazurkievcz já esteve envolvido em denúncias no passado. Foi inocentado.

 

 

Deixe Seu Comentário