< 2014 setembro Archive | JMais | Jornalismo Digital

Formulário + Botão Guia+ Desktop

Formulário + Botão Guia+ Mobile

União da Vitória ganhou uma filial da rede de Lojas Americanas. A unidade foi inaugurada na manhã desta terça-feira, 30. O vice-prefeito, Jair Brugnago, prestigiou a solenidade, e na oportunidade, representou o prefeito, Pedro Ivo Ilkiv.

O empreendimento, conforme o prefeito, é mais uma conquista, que beneficia a população. “A rede de lojas comercializa diferentes itens, garantindo a seus clientes preços competitivos e oferecendo produtos de qualidade reunidos em departamentos como bombonière, perfumaria, utilidades domésticas, brinquedos, games, celulares, eletrodomésticos, eletrônicos, CD’s e DVD’s, livros, vestuário e papelaria”, enaltece.

A geração de emprego e renda é outro ponto abordado por Pedro Ivo. “Vamos empregar mais pessoas, e consequentemente, movimentar a economia”, observa.

 

Era pra ser apenas mais um serviço da internet que se encerra e deixa saudades aos seus usuários. Mas o fim da rede social Orkut marca a trajetória de milhões de internautas, principalmente de brasileiros, que começaram a conhecer a web por meio dessa ferramenta.

A rede tornou-se espaço próprio tanto de interação e experimentação, quanto de excessos por partes dos membros. Era possível postar depoimentos particulares ou públicos chamados de  “testimonials”, e até mesmo testar a criativdade ao fazer imagens com a combinação de caracteres no “scrapbook”, espaço voltado para recados no perfil de cada usuário.

A empresa Google, dona do Orkut, escolheu este 30 de setembro como o último dia para se fazer login na ferramenta. Para quem já está com saudades, será possível fazer o download das fotos, scraps e depoimentos até setembro de 2016. Também ficará disponível o contéudo público das discussões feitas nas comunidades, ainda que não seja mais possível criar novos tópicos.

_____________________@____@
___________@@@_____@_____@________@@@
_________@_____@____@_____@______@____@
_________@_____@____@_____@_____@_____@
__________@_____@___@_____@____@_____@
__________@_____@___@______@___@____@
__@@_____@_____@___@______@__@____@
_@___@____@_____@__@______@_@_____@
@_____@____@______@_@______@______@______@@@
_@_____@____@______@________________@_@@______@
_@_______@_@_____________________________________@
___@____________________________________________@
____@_________________ADEUS,__________________@
_______@______________ORKUT!________________@
_________@_________________________________@
___________@____________________________@
_____________@_________________________@
______________@_______________________@

(Caracteres e letras ganhavam novos sentidos nos Scrapbooks do Orkut, destinados inicialmente a recados)

A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de SC confirmou a condenação do ex-prefeito de Canoinhas, Orlando Krautler, a quatro anos e oito meses de prisão, em regime semiaberto, e do ex-procurador do município de Canoinhas a três anos e seis meses de detenção, em regime aberto, pela prática de atos de improbidade administrativa.

Os dois foram denunciados pelo Ministério Público após dispensa de licitação em contrato de prestação de transporte público e de estudantes, no período de 1997 a 2002. A ação também incluiu os dois sócios proprietários da empresa contratada, que foram absolvidos.

A empresa, que presta o serviço de transporte no município desde 1974, teve o contrato de concessão prorrogado em 1999 e 2001, com dispensa de licitação, sob o argumento de que não havia empresas no município em condições de prestar o serviço. O mesmo ocorreu com o transporte escolar nos anos de 1997 e de 1999 a 2002, com a contratação direta do serviço pelo valor de R$ 300 mil à época.

O relator, desembargador substituto Leopoldo Augusto Brüggemann, não acolheu o recurso dos dois acusados, que argumentaram inépcia da inicial. Ele observou que a denúncia descreveu os fatos de forma suficiente, bem como a participação de cada um dos autores, e permitiu ao ex-prefeito o exercício pleno do direito de defesa.

Brüggemann foi enfático: “In casu, contudo, a alegada inviabilidade de competição não restou demonstrada nos autos, ao contrário, o que se verificou das provas amealhadas no presente processo é que havia, sim, outras empresas na região com potenciais possibilidades de prestar satisfatoriamente o serviço de que o Município necessitava”. A decisão, unânime, apenas adequou o valor da pena de multa aplicada aos administradores públicos

Em 2011, a prefeitura de Três Barras gastou a bagatela de R$ 400 mil para comprar 2.746 exemplares de uma cartilha intitulada Tixa Tixa, uma lagartixa no mundo musical (foto). Diluído o valor alcança a impressionante cifra de R$ 127,50 por exemplar. De papel sulfite, a cartilha de 30 páginas não vale mais que R$ 10 em qualquer livraria. Aliás, um exemplar do Vade Mecum, um tijolaço de quase 2 mil páginas, fundamental em cursos de Direito, custa menos que isso.

 À época, prefeito Elói Quege (PP) defendeu a compra como fundamental no ensino de música nas escolas. Ainda disse que a venda das cartilhas vinha acompanhada de uma série de treinamentos a serem ministrados pela editora nas escolas.

 Agora vem o Ideb pra mostrar o quanto investimentos como esse contribuem para a qualidade da educação. Três Barras tem o pior índice da região, um dos mais baixos do Estado.

Canoinhas, por sua vez, implementou o programa Um Computador por Aluno em 2012. A ideia era ter um aliado a mais na melhoria no ensino. Não funcionou. Há escolas onde metade dos computadores já está sucatado. Vindo de uma trajetória ascendente, as escolas municipais decaíram pela primeira vez em 2013.

Que as notas do Ideb não sirvam apenas para fomentar gráficos. É necessário repensar o modelo de ensino, valorizar os professores e investir no pragmático, não em pirotecnias de alto custo que dão em nada. Se os governantes me permitem um palpite, comecem investindo mais em professores, que ainda ensinam melhor que um computador e sem dúvida oferecem muito mais que uma largatixa de R$ 400 mil.

 

Pesquisas e enquetes

A página do UI, Canoinhas no Facebook fez uma enquete para saber em quem os moradores da região votarão na semana que vem. A enquete, que não tem nenhum valor científico mostra a tendência apontada pelas pesquisas Ibope e Datafolha na disputa presidencial. Dilma desponta com 43% das intenções de voto, seguida de Aécio Neves com 22% e Marina Silva com 16%.

Pela última pesquisa Ibope, Dilma aparece com 36% das intenções de voto no Sul, seguida de Marina com 32% e Aécio com 20%.

Tradicionalmente, o eleitorado catarinense vota mais em candidatos tucanos do que em petistas. A entrada de Marina na disputa, ao que parece, deve dividir os votos de Aécio, mas deixar intactos os de Dilma.

Chocado e magoado

Os bombeiros de Canoinhas fizeram uma bonita homenagem a quem ajudou a instituição nos seus recém-completados 30 anos. O evento aconteceu na sexta-feira, 19. Como prefeito à época da instalação da guarnição em Canoinhas, José João Klempous foi convidado a prestigiar o evento. Vestiu seu melhor terno e lá se fez presente. Imaginou que seria homenageado. Não foi. Pior, viu um desfile de autoridades recebendo a deferência. Saiu em lágrimas do local considerando-se injustiçado. Chegou em casa passando mal. Seu filho, Geovane, se irritou ao saber do motivo e, sem perder tempo, telefonou para o Batalhão questionando o porquê do esquecimento. Ninguém soube explicar.

 

Ferrovia do Frango

Saiu o resultado do edital para contratação do consórcio que vai realizar o estudo de viabilidade técnico-econômico e ambiental da Ferrovia do Frango. Custará R$ 54 milhões. Prevê a construção de uma ferrovia que ligue Itajaí a Chapecó. É este estudo que vai mostrar qual o melhor traçado. Pelo centro do Estado ou pelo Planalto Norte, reativando a Ferrovia do Contestado.

 

Rápidas

MARATONA: Os candidatos a governador de SC têm dois debates hoje. Pela manhã a Acaert promove o primeiro, com transmissão ao vivo pela UnC FM. À noite, o debate é na RIC TV Record.

 

SERÁ?: “O povo clama por isso”, diz pessoa bem próxima a Leoberto Weinert quando questionada sobre a informação dada pela coluna na semana passada de que ele pensa se candidatar a prefeito em 2016.

 

7,1 MIL: É o número de processos que cada um dos 452 juizes de SC têm para julgar. Os números são de relatório divulgado nesta semana pelo Conselho Nacional de Justiça.

 

1m14s: será o tempo estimado que cada eleitor gastará para votar nesta eleição.

 

SUBSÍDIO: Prefeito de Irineópolis, Juliano Pereira, tentou, mas não conseguiu emplacar projeto de lei que permitia o município a bancar o combustível dos carros dos secretários municipais quando a serviço da prefeitura.

 

Antonio Aguiar em campanha

Antonio Aguiar em campanha

Recordo-me muito bem que o saudoso Mauricio Nascimento falava, brigava aos quatro cantos como se diz que deveríamos ter nosso representante político na Assembleia Legislativa, não importa o nome mas não poderíamos ficar de fora de jeito nenhum. Defendia essa bandeira pois com o nosso representante as coisas poderiam melhorar e muito, os prefeitos da região sempre encontravam as portas dos gabinetes fechado e com nosso representante sempre elas estariam abertas. Recordo-me também que o radialista defendia que para nos só sobrava migalhas e que prefeitos,vereadores, empresários população em geral sempre tinham que mendigar obras, subvenções, verbas e melhorias para área da saúde, infraestrutura, educação etc.

Recordo-me também quem Dr. Aguiar em sua primeira eleição obteve 21.524 votos ficando como suplente na época, em sua segunda caminhada obteve 31.184 votos, conseguindo a primeira suplência na época, 47 mil votos na terceira e eleito deputado estadual e por último, com 42 mil votos reeleito deputado.
Com isso vemos que para chegar lá é preciso ter uma boa quantia de votos, portanto se alguns te falarem que com 20 mil votos ou menos ou um pouco mais que isso se elegem cuidado, por que nós corremos o risco de ficar sem nosso representante. Se você acha que está ruim agora, imagina sem nosso representante.

É a minha leitura, é minha a bandeira, é a minha opinião e é a democracia.

Foto: Caminhão onde estava o canoinhense tombou na margem da pista/PRF/Divulgação

O canoinhense  Jucemar Antonio Schtanski, de 30 anos, morreu em um acidente na manhã desta terça-feira, 30, no km 354 da BR-116, em Camaquã, na Região Sul do Rio Grande do Sul.

Schtanski conduzia um caminhão pertencente a uma empresa ervateira do interior de Canoinhas.

Conforme a Polícia Rodoviária Federal, Schtanski se perdeu em uma curva e colidiu lateralmente com outro caminhão. O motorista canoinhense morreu na hora.

O caminhão carregado de erva-mate tombou e derramou parte da carga de sacaria, deixando o trânsito em meia pista no sentido interior-capital.

A outra carreta que se deslocava no sentido Camaquã-Porto Alegre com material para confecção de garrafas pet chegou a sair da pista. O motorista saiu ileso do acidente apesar dos danos materiais.

Um micro-ônibus da Secretaria da Saúde de Dom Feliciano se deslocava pela BR 116, levando pacientes para consultas médicas em hospitais e clínicas da região Metropolitana e acabou batendo na traseira da carreta que se deslocava no mesmo sentido. Uma outra carreta que vinha logo atrás, ainda bateu na traseira do coletivo.

Nenhum dos pacientes do micro ônibus ficou ferido.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o acidente ocorreu por volta das 05hs30 da manhã desta terça-feira, 30.

Schtanski, que era casado e tinha um filho de dois anos, está sendo transladado para Canoinhas.

 

 

Foto: Alunas do I. E. S. C.J em frente ao único prédio, em alvenaria, nos anos 1940/Arquivo pessoal

A entrada era por uma escada de madeira, como de madeira era todo o prédio de cor marrom que se afigurava a minha frente. Subindo por ela é que se chegava até um minúsculo e quadrado saguão. Do lado de fora, bem à direita, uma corrente pendurada com um cabo de madeira torneada em sua ponta inferior e que no alto, após se encaixar em uma roldana, sumia para o interior da construção.

Minha mãe puxou a corrente e, ao longe, ouvimos o tilintar de uma campainha, mais toque de sino que de campainha. Naquele pequeno quadrado havia três portas e na porta bem a nossa frente uma pequena janela que, ao ser aberta nos mostrou um rosto sorridente. Rosto apenas porque o todo mais coberto era por uma touca branca que descia até o pescoço e encimado ainda o era por um negro véu.

E eu, ali embaixo, com uma das mãos segurando minha mochila escolar e na outra a mão de minha mãe que, ao apertar a minha sinalizava silêncio. Ela carregava ainda uma pequena mala com minha roupa de uso pessoal. O grande enxoval de menina já havia chegado, antecipadamente, dentro de um grande, velho e muito usado já, baú de madeira.

Para uma criança tudo é grande e eu olhava a grande freira cujo rosto aparecera na janelinha falando para minha mãe que já iria abrir a porta da grande sala que era a sala de visitas.

Nesta sala eu vi muitas cadeiras e uma mesa, tudo de vime, e havia também um antigo piano. E sorrindo nos deixou dizendo que a Irmã Superiora, Madre Albertina, já viria nos receber.

E ela chegou. Sorridente. Como sempre era. Aquele rosto que já me parecia ser de uma santa. Olhos brilhantes. Suave era a sua voz. E ela não me pareceu tão grande com toda aquela meiguice com que nos recebeu. Eu já conhecia aquele sorriso. Já conhecia aquele rosto. Já conhecia aquela voz. Inúmeras vezes ali eu já estivera, com minha mãe, em visita às minhas irmãs mais velhas que naquele vetusto educandário já haviam estudado. Internas. Como agora seria eu dali em diante.

Acompanhamos Madre Albertina numa romaria por todo o Colégio que se chamava “Instituto de Educação Sagrado Coração de Jesus”.

Pela porta da direita daquele pequeno saguão entrava-se numa outra salinha onde funcionava a secretaria e a tesouraria. E também lá havia um piano.

Saímos para um corredor e Madre Albertina foi explicando os detalhes: Pela porta, à esquerda, a capela. À direita, o refeitório das internas, depois a sala de música com mais dois pianos, violinos, acordeões e eu embasbacada, quase sem respirar, a tudo olhando. “Por esta escada sobe-se para a Clausura onde as Irmãs se recolhem para ler, estudar, rezar, meditar e dormir. E além de nós, freiras, só o padre-capelão ali pode entrar. Ninguém mais”, completou Madre Albertina.

Saindo desse corredor chegamos a uma varanda aberta. Mais outra porta, à esquerda, onde estava escrito Clausura e a Madre explicou que era o refeitório das Irmãs com a cozinha ao lado. Depois a lavanderia. E no lado oposto um jardim, uma horta pequena e os sanitários.

Quando chegamos ao final desta varanda, ainda de madeira, subimos então por uma pequena escada e entramos na parte nova do Colégio que era todo em alvenaria, com três pavimentos, tudo na cor do cinzento cimento.

Avarandado imenso com um assoalho em azulejos em xadrez preto e branco. Inúmeras portas que se abriam para as salas de aula. E depois de passarmos por uma grande porta apareceram as escadarias, lindas escadarias que nos levariam ao segundo piso.

E então, logo depois, à esquerda das escadas, a grande sala de estudo, onde eu já tinha um lugar designado, bem à frente, onde ficou minha mochila com meus livros, meus cadernos, o penal e toda aquela parafernália que toda criança carrega e que só criança sabe para o que serve. Algumas internas já lá se encontravam. Em silêncio absoluto. Fui apresentada. Alguns sorrisos amigos e alguns sorrisinhos sem graça.

No alto de uma enorme prateleira encostada a uma parede lateral lia-se em enorme faixa: ”Um lugar para cada coisa e cada coisa no seu lugar.” Era onde se guardavam panos a serem bordados, lãs, fios, agulhas e outros pertences mais.

Não havia quadro negro porque não era sala de aula. Em seu lugar a imagem de Nossa Senhora das Graças, rodeada de frescas flores lá em seu nicho, bem no alto, na parede da frente. E um púlpito onde a Irmã encarregada nos vigiava enquanto corrigia cadernos e ou preparava lições.

Mais um lance de escadas e estávamos nos dormitórios. De um lado o das chamadas médias e grandes e do outro o das pequenas aonde eu iria me acomodar para dormir.

Mostraram-nos o local de minha cama, o armarinho embutido onde o meu baú já se encontrava e o espaço para mim designado em outro grande armário cheio de cabides onde seriam pendurados os uniformes.

Minha mãe me ajudou a arrumar a cama e a colocar tudo em ordem no pequeno armário embutido. Foi esta ajuda que me deu ânimo na hora da despedida. Porque tudo ficara impregnado com o perfume dela e assim eu poderia fingir que a teria comigo em todas as próximas noites que me aguardavam na solidão de um internato de meninas.

A Prefeitura de União da Vitória abriu concurso com o objetivo de prover vagas em cargos públicos. O Concurso Público será realizado sob responsabilidade da Fundação Municipal Centro Universitário da Cidade de União da Vitória (Uniuv) e terá validade de dois anos, a partir da data da homologação.

A inscrição poderá ser realizada somente pela internet, no endereço eletrônico, concursopublico.uniuv.edu.br, até 23 de outubro de 2014. O valor da inscrição varia entre R$ 30 e R$ 100, de acordo com o cargo escolhido.

O Concurso Público constará de duas etapas, e será composto por prova objetiva (primeira fase), prova prática (segunda fase) e prova de títulos (segunda fase). A prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, terá duração de três horas, e será realizada no dia 16 de novembro de 2014, às 14 horas, em local a ser informado, posteriormente.

 

Confira a relação dos cargos e vagas:

Operador de máquina: sete vagas;

Porteiro: duas vagas;

Servente: 100 vagas;

Zelador: cinco vagas;

Cuidador: oito vagas;

Maestro de banda: uma vaga;

Professor de música: uma vaga.

 

Foto: Aposta foi feita na Mina Loterias/Google Street View

Um apostador de Canoinhas se deu bem nesta segunda-feira, 29, faturando R$ 388.932,47  na Lotofácil.

Ele acertou os 15 números pelo concurso 1112.

Os números sorteados foram: 01 – 02 – 03 – 06 – 07 – 08 – 12 – 13 – 15 – 16 – 17 – 18 – 20 – 22 e 24.

A aposta foi feita na Mina Loterias, no centro de Canoinhas.

Segundo a lotérica, a identidade do sortudo ou sortuda ainda é desconhecida. Como o ganhador pode retirar o prêmio somente nas agências da Caixa (não necessariamente a de Canoinhas), vai ser difícil identificá-lo.

Uma faixa será colocada em frente à lotérica ainda nesta terça-feira, 30, para que aqueles que costumam apostar, mas não conferir o cartão, fiquem atentos.

Além dos seis ganhadores do prêmio máximo, mais 859 apostadores acertaram 14 números. Cada um deles vai receber R$ 635,67.

Pesquisa Vox Populi, encomendada pela Rede Record, mostra a candidata Dilma Rousseff (PT) na liderança com 40% das intenções de voto para a Presidência da República. A candidata pelo PSB, Marina Silva, aparece com 24% das intenções e Aécio Neves (PSDB) com 18%. Na última pesquisaVox Populi, Marina tinha 22% das intenções de voto e Aécio, 17%. Dilma manteve a mesma porcentagem.

Na pesquisa divulgada nesta segunda-feira, 29, os candidatos Luciana Genro (PSOL) e Pastor Everaldo (PSC) tiveram 1% das intenções de voto cada um. Eduardo Jorge (PV), Levy Fidelix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) tiveram menos de 1% das intenções. Brancos e nulos somam 6% e 11% não souberam indicar um candidato ou não quiseram responder.

O Vox Populi fez duas simulações de segundo turno. Em disputa entre as candidatas Marina Silva e Dilma Rousseff, Dilma venceria com 46% das intenções contra 39% de Marina. Brancos e nulos somariam 9%, e 6% seriam os indecisos.

Em uma disputa entre Dilma e Áecio, a candidata do PT venceria com 48% das intenções contra 38% do candidato tucano. Os votos brancos ou nulos seriam 9%, e os indecisos 5%.

Foram feitas 2 mil entrevistas em 147 cidades. O levantamento foi no sábado (27) e domingo (28). A margem de erro é 2,2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%. O número de registro na Justiça Eleitoral é BR-00888/2014.